A Central de Valorização Orgânica da LIPOR recebeu e valorizou, nos seus 15 anos de atividade, 647 608 toneladas de resíduos alimentares e resíduos verdes.

Lipor 15 anos

De facto, há 15 anos, a LIPOR e os seus Municípios associados, iniciaram um projeto diferenciador que deixou uma marca na gestão de resíduos e na proteção dos solos em Portugal, – a “Compostagem Industrial” feita a partir da recolha seletiva de biorresíduos.

A Central de Valorização Orgânica é alimentada por um conjunto de circuitos de recolha seletiva promovidos pela LIPOR e os seus Municípios associados. Estes circuitos vão desde a recolha seletiva porta-a-porta em habitações, até à recolha em cantinas e restaurantes, passando por mercados, e grandes produtores, permitindo assim, a recolha de biorresíduos com uma elevada qualidade e sem contaminantes, o que dá origem à produção de um corretivo agrícola de excelente qualidade – o NUTRIMAIS.

Mas o trabalho da LIPOR e dos seus Municípios, nestes 15 anos, não se esgotou aqui, tendo sido promovido um conjunto de projetos paralelos com o objetivo de potenciar, por exemplo, a redução do desperdício alimentar e promover o retorno ao solo da matéria orgânica que o enriquece.

Assim, o Embrulha. e o Dose Certa são projetos de prevenção da produção de resíduos em restaurantes e cantinas, que promovem o aproveitamento total das refeições, minimizando o desperdício, evitando a sua incineração ou deposição em aterro.

Ao mesmo tempo, apostando na gestão descentralizada dos resíduos verdes e alimentares, a promoção do projeto de Compostagem Caseira tem sido uma forma preferencial de tratar localmente este tipo de resíduos. No âmbito deste projeto a LIPOR já entregou 15 532 compostores domésticos e 67 compostores comunitários aos cidadãos dos seus 8 Municípios, permitindo a valorização local de mais de 6 500 toneladas de biorresíduos/ano.

Estes resultados não seriam possíveis sem o esforço dos Municípios associados, quer na instalação de infraestruturas, quer na otimização de circuitos de recolha de resíduos, quer na sensibilização da comunidade.

E claro está, também os cidadãos têm contribuído e participado de forma cada vez mais exemplar nos diversos projetos desenvolvidos, aumentando assim as quantidades de materiais valorizados e diminuído o desperdício, e também contribuído para menores emissões de gases de efeito de estufa.

Principais dados de 15 anos de atividade da Central de Valorização Orgânica:

  • Resíduos alimentares valorizados: 334 229 toneladas

  • Resíduos verdes valorizados: 313 378 toneladas 

  • NUTRIMAIS produzido: 132 753 toneladas

  • Emissões de CO2eq evitadas: 50 064 toneladas