Segundo o Boletim Mensal da Agricultura e Pescas de maio, publicado pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), as plantações tardias de batata de regadio foram dificultadas pela precipitação de abril, sendo que em algumas zonas foi necessário fazer replantações.

Batata

Após alguma hesitação inicial dos produtores em definir a extensão da área a plantar, provocada quer pelo impacto da situação de emergência sanitária, quer pelos baixos preços de mercado (no primeiro trimestre o preço médio da batata no produtor foi 36% inferior ao registado no período homólogo), observou-se um aumento da procura de batata-semente, que o mercado já não foi capaz de satisfazer. 

Estima-se uma diminuição de 5% na batata plantada, que poderá ficar aquém dos 20 mil hectares.

De notar que a pressão das doenças criptogâmicas sobre esta cultura, em particular do míldio, aumentou bastante com as condições climatéricas de abril, obrigando a uma intensificação dos tratamentos fitossanitários.

As dificuldades do setor

Segundo a Associação da Batata de Portugal (Porbatata), este ano o setor enfrenta “enormes dificuldades” e poucas perspetivas de exportação, devido à pandemia de covid-19. A entidade aproveitou para incentivar o consumo deste tubérculo.

“Este ano a fileira da batata enfrenta enormes dificuldades. A pandemia de covid-19 praticamente paralisou as vendas para o canal horeca [hotéis, restaurantes e cafés]. A par disso, são poucas as perspetivas de exportação”, apontou, em comunicado de imprensa.

Para incentivar o consumo de batatas portuguesas, a associação vai hoje, dia 27 de maio, iniciar um campanha nas suas redes sociais, com o mote “vamos por a batata em pratos limpos”, que pretende realçar os atributos deste alimento.

A associação adianta que a batata é “uma excelente fonte de energia” com zero desperdício e uma fonte de vitaminas, potássio e cálcio, deixando ainda o repto “Sou batata portuguesa – No lugar certo, na sua mesa”.

Citado no comunicado, o presidente da Porbatata, Sérgio Ferreira, afirmou que a iniciativa pretende “lembrar a importância nutricional da batata e o seu papel de destaque na nossa mesa”, sublinhando que este “é o momento ideal para lembrar os portugueses da sua importância”.

lançamento oficial desta iniciativa decorre às 14:30 num ‘webinar’ que, conforme indicou a associação, vai contar com o secretário de Estado da Agricultura, Nuno Russo, o diretor-geral da Centromarca, Pedro Pimentel, o presidente da SIMAB, Rui Paulo Figueiredo, César Machado da direção de marketing estratégico do Crédito Agrícola e ainda Sérgio Ferreira Tânia Fonseca da Porbatata.

Em Portugal, o consumo ‘per capita’ de batata está fixado em 93,6 quilos por ano. Este tubérculo é produzido em todo o país, destacando-se as zonas Entre Douro e Minho, Trás-os-Montes, Beira Interior, Beira Litoral, Oeste Ribatejo, Península de Setúbal e Costa Alentejana. A área total ocupada pelo cultivo de batata em Portugal ascende a 22 mil hectares e a produção média atinge as 400 mil toneladas anuais.